Nossa Metodologia


  • Nossa metodologia
  • Análise de Insolvência

A avaliação global do risco-país é uma combinação entre a nota de classificação de risco do país (CG, Country Grade) e o nível de risco do país (CRL, Country Risk Level). 

 
A nota classificação de risco do país (CG, Country Grade)  mede os desequilíbrios econômicos, a qualidade do clima empresarial e a probabilidade de riscos políticos. A classificação das notas segue uma escala em seis níveis que vão de AA até D, sendo AA o nível mais alto de nota e D o mais baixo.
 
A nota ou rating do país é uma combinação de três pontuações:
 
  • A Classificação Macroeconômica (ME), baseada na análise dos seguintes itens: a estrutura da economia, o endividamento das políticas orçamentária e monetária, o saldo das contas externas, juntamente com a estabilidade do sistema bancário e outros fatores;
  • A Classificação da Estrutura do Ambiente Empresarial (SBE, Structural Business Environment), que mede as percepções relativas ao quadro regulatório e jurídico, o controle da corrupção e a relativa facilidade de fazer negócios; e
  • A Classificação do Risco Político (P), que se baseia na análise dos mecanismos para transferência e concentração de poder, a eficácia da formulação das políticas, a independência das instituições, a coesão social e as relações internacionais.
  • A nota de classificação de risco do país (CG, Country Grade)  é, então, combinada com dois indicadores de alerta de curto prazo que vão dar o nível de risco do país (CRL, Country Risk Level). O nível de risco país é medido em uma escala de 1 a 4, sendo 1 o nível mais alto e 4 o mais baixo. No nosso mapa do risco-país, esses níveis também são categorizados como baixo, médio, sensível e alto. Os dois indicadores de curto prazo são:
  • O Indicador de Fluxos Financeiros (FFI, Financial Flows Indicator), que mede os riscos de financiamento em curto prazo para a economia que podem afetar os pagamentos de contas recebíveis entre empresas; e
  • O Indicador de Risco Cíclico (CRI, Cyclical Risk Indicator), que mede as interrupções a curto prazo na demanda. Esse índice inclui as nossas previsões macroeconômicas e de insolvência. 

Em conjunto, essas cinco dimensões de risco constituem a avançada metodologia de risco-país da Euler Hermes. Ela permite avaliar o risco de inadimplência de uma empresa em um dado país – um apoio essencial para a tomada de decisões dos nossos clientes.​
​​​​​

A Euler Hermes monitora a insolvência empresarial em mais de 30 países.

 
O conceito de insolvência empresarial varia de um país para outro, tornando difíceis as comparações internacionais.
 
As disparidades entre países são muitas. Primeiramente, os procedimentos oficiais de insolvência não são iguais em toda parte. Em alguns países predominam os acordos amigáveis (por exemplo, na Espanha e Itália), e os índices de insolvência empresarial são bem reduzidos, minimizando a situação real de insolvência das empresas. Em segundo lugar, em alguns países os empreendedores individuais são computados nas estatísticas de insolvência empresarial. Em outros casos, eles são incluídos nas estatísticas das falências pessoais (por exemplo, nos EUA), sem distinção entre falências estritamente pessoais e falências de empresários operando como empresas unipessoais. No caso destes últimos, o número das insolvências empresariais é enormemente subestimado.
 
A fim de superar o caráter heterogêneo das estatísticas e das circunstâncias nos diferentes países, nós elaboramos índices por país e formulamos o nosso próprio Índice Mundial de Insolvência (Global Insolvency Index).
 
Uma vez que os dados sobre insolvência sejam equiparáveis e padronizados, calculamos um índice de insolvência com base na equivalência 2000=100. Isso mede a mudança nas insolvências ao longo do tempo, ao invés de dar números absolutos, e constitui um indicador avançado crucial para possíveis altas acentuadas no risco de inadimplência de dado país.
 
Nós também calculamos um Índice Mundial de Insolvência (GII, Global Insolvency Index). Trata-se da soma ponderada dos índices nacionais. Cada país é ponderado de acordo com sua participação no PIB total (pela taxa de câmbio em vigor) dos países incluídos no estudo. Esse indicador exclusivo é a melhor maneira de monitorar a saúde da economia global real.